Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Notícias

Caratinga lidera pontuação do ICMS Esportivo pelo terceiro ano consecutivo

Caratinga lidera pontuação do ICMS Esportivo pelo terceiro ano consecutivo

Localizada no Território Vale do Aço, a cidade de Caratinga ocupou, pela terceira vez consecutiva, o primeiro lugar entre os municípios que pontuaram no ICMS Solidário – Critério Esportes. A Secretaria de Estado de Esportes (Seesp) divulgou o Relatório dos Índices Definitivos do ICMS Esportivo referente ao ano base 2016, no qual constam as pontuações obtidas por 224 cidades. Entre as iniciativas desenvolvidas em Caratinga que resultaram na boa pontuação no mecanismo da Seesp estão a participação de atletas da cidade em competições de diferentes modalidades por todo o país e a realização os Jogos Estudantis Municipais, que classificaram os campeões para os Jogos Escolares de Minas Gerais – Jemg/2017. Atividades de lazer, de formação e inclusão esportiva e com cunho social também integraram a relação de 107 programas/projetos aprovados no ICMS Esportivo ano base 2016 que renderam pontos ao município. Caratinga pontuou em todos os 13 segmentos de atividades do mecanismo – projetos socioeducacionais, atividades de futebol amador, outros programas e projetos, atividades de lazer, esporte para a terceira idade e para pessoas com deficiência, jogos escolares municipais, qualificação de agente esportivo, academia e xadrez na escola, instalação, reforma e disponibilização de equipamentos esportivos, Minas Esportiva Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg) e Minas Esportiva Jogos do Interior de Minas (Jimi) –, que atenderam cerca de 10 mil pessoas. Para o secretário de Estado de Esportes, Arnaldo Gontijo, os critérios de pontuação e a valorização das ações ligadas ao esporte e às atividades físicas tornam o mecanismo ainda mais forte. “O ICMS Esportivo vem para reconhecer o esforço dos municípios e reforçar o fomento ao esporte em Minas Gerais. Esperamos que cada vez mais cidades se interessem e participem, fazendo nosso estado ser cada vez mais forte no cenário esportivo", comenta Gontijo. ICMS Esportivo é revertido em mais esporte Em Caratinga, a notícia de que a cidade novamente liderou a pontuação do ICMS Esportivo foi motivo de comemoração. A diretora municipal de Projetos Esportivos da Prefeitura Municipal, Juleny Carlos Leite de Mattos, diz que todo o trabalho foi feito para que o resultado dos anos anteriores se repetisse em 2017. “Sempre trabalhamos com o máximo esmero, pois dependemos do recurso para desenvolver nossas atividades. Não pensávamos se íamos bater ou não o primeiro lugar, pois há muitos fatores que podem modificar o resultado. Mas 1.322 pontos de diferença para o segundo colocado foi um susto”, conta. Na cidade, o esporte é mantido pelos recursos obtidos com o ICMS Esportivo, gerando um círculo virtuoso. “Se não houvesse o recurso do ICMS Esportivo não teríamos como trabalhar, devido às prioridades do município em torno da saúde, educação, infraestrutura e demais pastas, em tempos tão difíceis”, relata a gestora. Segundo Juleny, a boa pontuação vem servindo como parâmetro para nortear a atuação do governo local. “É claro que depende de trabalho técnico, mas podemos, a partir daqui, sinalizar melhoras ou decréscimos para os anos seguintes. Além disso, para melhorarmos as pontuações precisamos observar bem em que direção a Seesp nos aponta e caminhar para lá. Dessa maneira aos poucos vamos mudando o jeito tradicional de fazer esporte no nosso município”, destaca a diretora. “Já não somos só futebol. Agora temos jiu-jitsu e ciclismo de rendimento para portadores de necessidades especiais. E a participação das mulheres está aumentando”, conclui. Repasse No ICMS Esportivo, quem recebe os recursos é a prefeitura municipal, por meio de repasses semanais feitos pelo Estado, que englobam todos os critérios estabelecidos pela Lei nº 18.030/2009. Pelo primeiro lugar obtido no ano base 2016, Caratinga receberá, em 2018, 4,26% dos recursos. Como o montante total estimado para o ICMS Esportivo é de R$ 9.132.010,75, a previsão é que o município receba R$ 389.400,54. De janeiro a agosto deste ano, o Governo de Minas Gerais repassou mais de R$ 5,6 milhões do ICMS Esportivo a 260 municípios relativos ao ano base 2015. O valor pode chegar a R$ 8,6 milhões até o final do ano. Agência Minas
Usina de Miranda pode ficar fora do leilão do governo

Usina de Miranda pode ficar fora do leilão do governo

A usina de Miranda pode ficar fora do leilão de hidrelétricas da Cemig, que será realizado pelo governo federal nesta quarta-feira (27/9/17). A informação foi divulgada pelo 1º vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho (PMDB/MG), em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (25), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A proposta ainda deve passar por análise do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (26), quando a Cemig e a Advocacia-Geral da União (AGU) se reúnem para tratar do possível acordo. O valor da usina de Miranda é de R$ 1,1 bilhão. O leilão envolve as usinas de São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande, no Triângulo Mineiro, que respondem por 50% da energia gerada pela Cemig. De acordo com Fábio Ramalho, há a possibilidade de uma segunda usina ser retirada do certame. "Grandes empresas consumidoras de energia, como as do setor siderúrgico, se mobilizaram para elaborar uma carta-fiança, que é aguardada pela Cemig. Se a carta for apresentada até esta terça, a usina de Jaguara se manteria sob concessão da empresa mineira. Essa possibilidade também depende da homologação por parte do STF", explicou. Ainda segundo o parlamentar, por meio dessa carta, seriam garantidos R$ 1,9 bilhão para a compra de Jaguara. "Caso não obtenha a carta-fiança, a Cemig vai participar do leilão das três usinas por meio de consórcio formado com a Vale", afirmou. Frente Parlamentar - O certame da União mobilizou parlamentares estaduais e federais e a sociedade civil contrários ao leilão. Em 24 de julho deste ano, foi lançada na ALMG a Frente Mineira de Defesa da Cemig, que participou de atos em Miranda e São Simão. O movimento também foi a Brasília para solicitar a suspensão do processo e realizou audiências em Belo Horizonte para dar visibilidade à causa. As diretrizes para a realização do certame foram estabelecidas na Portaria 133, de 2017, do Ministério de Minas e Energia. A expectativa do governo era obter R$ 12 bilhões com as novas concessões, que deverão ser outorgadas pelo prazo de 30 anos. ALMG