O Kantar Ibope Media divulgou ontem nesta semana uma edição atualizada do “Book de Rádio”, levantamento especial que detalha o consumo desta mídia em 13 regiões metropolitanas do país, que contam com pesquisas regulares do instituto (ou seja, realizadas mensalmente). De acordo com o levantamento, a mídia alcança 87% da população (52 milhões de pessoas são ouvintes de rádio), com pico de 37 milhões de pessoas diferentes em 30 dias na faixa das 10h e 11h da manhã. O celular avança entre os “devices” de consumo do meio. O alcance do meio rádio é maior entre as classes mais jovens.

Belo Horizonte segue como grande destaque quando o assunto é alcance do rádio em 30 dias. A capital mineira e sua região metropolitana seguem com 95% dos entrevistados declarando que ouviram rádio nos últimos 30 dias, mercado que é seguido pela Grande Goiânia (91%), Grande Fortaleza (90%), Grande Curitiba (89%), Grande Porto Alegre (89%), Grande Recife (88%), Grande Rio de Janeiro (87%), Grande São Paulo (86%), Campinas (85%), Grande Florianópolis (85%), Grande Vitória (85%), Grande Salvador (85%) e Distrito Federal (82%).

Já a média em tempo de consumo do veículo nessas 13 regiões segue alto. Na Grande Goiânia cada ouvinte escuta rádio por 5h04 minutos ao dia em média. Na sequência aparecem o Grande Rio (5h03), Grande Recife (04h58), Grande Vitória (04h55), Grande Fortaleza (04h54), Grande São Paulo (04h45), Grande Porto Alegre (04h44), Grande Belo Horizonte (04h21), Grande Salvador (04h20), Campinas (04h15), Distrito Federal (04h01), Grande Curitiba (03h58) e Grande Florianópolis (03h51).

A média de tempo que cada ouvinte escuta rádio por dia é de 4h40 nas regiões pesquisadas.

O levantamento indica que 52% da audiência de rádio é composta por mulheres. Já por classes sociais, 34% estão nas AB, 48% na C e 18% nas DE.  E a faixa etária mais presente é de 30 a 39 anos, correspondendo 20% do total da audiência de rádio.

Impacto maior nos mais jovens - Segundo o levantamento do Kantar Ibope Media, 91% das pessoas que têm entre 15 e 19 anos declararam ouvir rádio por ao menos um minuto nos últimos 30 dias, isso nas 13 regiões metropolitanas pesquisadas. Entre 20 e 34 anos o alcance é de 90%, mesmo valor da faixa entre 35 e 49 anos. O alcance cai para 86% entre o público de 50 a 59 anos e 79% na faixa das pessoas com mais de 60 anos.

Em todos os locais - A mobilidade da audiência de rádio tem aumentado. A pesquisa mostra que 26% da população nas principais regiões metropolitanas escuta rádio fora de casa em dois dias, valor que igual a mais de 15 milhões de pessoas. 51% ouve rádio em casa (30,2 milhões de pessoas), 15% no carro (8,6 milhões), 9% no trabalho (5,4 milhões) e 5% no trajeto (3,1 milhões).

O tempo de consumo do rádio é maior no trabalho, valor que chega a 5h01. Em casa o valor chega a 4h33, seguido pelo carro (2h31) e no trajeto (2h21).

O celular cresce -  O estudo indica ainda que 14% da população declarou ouvir rádio no celular em um período de dois dias (valor que equivale a 8 milhões de pessoas). O rádio “comum” segue como a maior plataforma de consumo do veículo, alcançando 58% na pesquisa. O celular já chega a 14%, seguido pelo computador/desktop (4%).

Outro dado relevante é de que 95% do consumo de rádio registrado foi para emissoras transmitidas em FM e AM, independente da plataforma utilizada pelo ouvinte (rádio via ondas, aplicativo de celulares, site de internet, etc).

A pesquisa também aponta que 23% dos ouvintes de rádio escutam o veiculo ao mesmo tempo em que usam a internet. Já 17% escutam rádio e assistem TV simultaneamente. Na sequência, 14% escutam rádio enquanto leem jornal e 13% escutam rádio e leem revistas ao mesmo tempo.

RCR/Tudo Rádio