A Comissão de Participação Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) vai promover nesta quinta-feira (22/6/17), às 15 horas, no Plenarinho II, audiência pública para debater as ações dos movimentos “Diretas já”, que têm reivindicado a realização de eleições diretas para a presidência da República. A reunião foi requerida pela presidente da comissão, deputada Marília Campos, e pelo deputado Rogério Correia, ambos do PT.

De acordo com Marília Campos, depois que o País foi “arrastado para uma crise sem precedentes, envolvendo diretamente o presidente ilegítimo Michel Temer”, a convocação de eleições diretas se tornou a única saída capaz de reverter esse quadro. “Por isso temos ido às ruas, junto com os movimentos sociais, protestar e exigir também a retirada das reformas trabalhista e previdenciária que tramitam no Congresso Nacional e que representam um ataque direto aos direitos do povo brasileiro”, afirma a parlamentar.

Em audiência da Comissão de Direitos Humanos, no dia 22 de maio, o deputado Rogério Correia reforçou a necessidade de resistência contra o que classificou como “o novo golpe das Indiretas Já”, em referência à previsão constitucional de eleição presidencial em caso de nova vacância do cargo.

“O que as elites querem são as reformas que tiram direitos do trabalhador, o que não será mais possível diante de um governo que não tinha sustentação jurídica e, agora, não terá sequer sustentação parlamentar. Para termos justiça social, somente por meio de um presidente democraticamente eleito”, defendeu Correia.

Entre os convidados para a reunião desta quinta (22) estão a coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, Beatriz da Silva Cerqueira; o dirigente estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, Sílvio Netto; e o dirigente Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB Movimento dos Atingidos por Barragens, Joceli Jaison José Andrioli; dentre outros representantes de movimentos sociais e entidades sindicais.

ALMG